Equilíbrio Mineral

Equilíbrio Mineral

O seu Equilíbrio Mineral está garantido?

O Equilíbrio Mineral do ser humano está diretamente relacionado com o consumo de Sais Minerais. Os sais minerais são elementos químicos em forma de íons (elementos químicos no seu estado livre). Eles são necessários ao corpo por serem responsáveis pelo bom funcionamento do metabolismo, ou seja, as trocas de substâncias contidas nas células dos seres vivos. Sem o bom funcionamento do metabolismo, o corpo não reage de forma eficiente no combate às doenças e a cicatrização dos ferimentos, por exemplo. Os Sais Minerais são nutrientes que fornecem substâncias importantes como sódio, potássio, cálcio e ferro e etc. Encontramos sais minerais na água, nas frutas, nos legumes, nas verduras, nos frutos do mar, no leite, suplemento Wellness e em diversos outros alimentos.

Os minerais também são divididos em dois grupos- macro e microminerais.

Esta divisão deve-se às quantidades de que necessitamos.

  • O potássio, cloreto, sódio, cálcio, fósforo e magnésio pertencem ao grupo “macro” porque precisamos de quantidades relativamente elevadas destes minerais (miligramas a gramas).
  • O zinco, ferro, manganês, cobre, iodo e selénio pertencem ao grupo “micro” porque apenas precisamos de pequenas quantidades (microgramas a miligramas) destes minerais.

 

Agora, vamos ver o que eles fazem no corpo, para termos equilíbrio e uma vida saudável!

O cálcio é um componente estrutural dos ossos, dentes e tecidos moles. O cálcio regula a função dos músculos e nervos, secreções glandulares, dilatação e contração dos vasos sanguíneos e é essencial para uma coagulação sanguínea adequada.

 

O magnésio está envolvido em mais de 300 reações metabólicas essenciais, incluindo a produção de energia, a condução dos impulsos nervosos, contração muscular e o ritmo cardíaco normal. Tal como o ferro é responsável pela cor vermelha do sangue, o magnésio é responsável pela cor das folhas.

 

O selénio está incorporado nas nossas proteínas para formar enzimas antioxidantes importantes que ajudam a prevenir os danos celulares dos radicais livres. A deficiência de selénio pode contribuir para um mau funcionamento da função cardíaca, hipotiroidismo e um sistema imunitário enfraquecido.

 

O zinco é necessário para um funcionamento correto do sistema imunológico, para a cicatrização de feridas, metabolização de hidratos de carbono, visão, pele, cabelo, olfato e paladar.

 

O iodo é um componente essencial das hormonas tiroideias triiodotironina (t3) e tiroxina (t4), que regulam o metabolismo, o crescimento, desenvolvimento e função reprodutiva. Distúrbios por deficiência de iodo incluem o hipotiroidismo, bócio e atraso mental. A deficiência de selénio pode exacerbar os efeitos da deficiência de iodo.

 

O cobre é um componente de enzimas envolvidas no sistema nervoso central, na produção de energia, na formação do tecido conjuntivo (colagénio e elastina na pele, mas também no coração, vasos sanguíneos e tecidos ósseos), na formação e processo antioxidante de melanina.

 

Em todos os organismos, o ferro é incorporado numa estrutura biológica chamada “hemo”- um componente essencial das proteínas envolvidas nas reações de desintoxicação e oxigenação, como por exemplo a hemoglobina que transporta o oxigénio e mioglobina encontrada nas células vermelhas do sangue e células do músculo, respetivamente.

 

A função do crómio é potenciar a ação da insulina e melhorar a tolerância à glicose. Os sintomas da deficiência de crómio aparecem como sinal de diabetes, tal como a intolerância à glicose, resistência à insulina  e neuropatia.

 

O manganês é necessário para os ossos e cartilagem saudáveis, cicatrização de feridas, produção de colagénio e artérias saudáveis. É um constituinte das enzimas que desempenham uma função no metabolismo do colesterol, hidratos de carbono, aminoácidos, neurotransmissores e que protegem os tecidos e componentes das células dos danos causados pelos radicais livres.

 

O molibdénio é um elemento essencial e funciona como cofator para um número de enzimas (molibdoenzimas) que catalisam reações metabólicas, especialmente aquelas que envolvem a quebra de nucleótidos (DNA e RNA). Os sintomas da deficiência de molibdénio incluem ritmo cardíaco e respiratório acelerado, dores de cabeça e estado comatoso.

 

Se examinarmos o desempenho destes minerais no organismo, vamos seleccionar melhor os alimentos ou suplemento wellness, que realmente fazem bem as nossas células, definem o nosso Equilíbrio Mineral e que não podem faltar diariamente!

Agora, será que realmente comemos o que o corpo precisa, ou saciámos o desejo e a vontade de comer?

 

João Belim

Expert Wellness